Crônica de uma terra distante

confissões de uma mente delirante, Inquieto, amargo e obssessivo.

38

leave a comment »

A mente aprisiona qualquer esperança
Eu não aguento mais
Talvez eu não consiga esperar
Eu sei que deveria tentar
Que há algo muito maior
Mas eu realmente não ligo
Os vícios
O orgulho
Um enorme circulo
Talvez essa forma lenta de me matar
Não me leve a qualquer lugar
As vezes posso ver através
Há um buraco
Um câncer
Onde não existem vencedores
Ou arrependidos
É tudo decepção
Eu queimo vivo
A febre vai me enlouquecer
Eu luto para não perder o melhor de você
Mas o meu melhor já não existe mais
E eu não sei mais fingir em me importar
A nuvem toxica obscurece meus sentimentos
Passo da melancolia a euforia
Através de um pequeno pedaço de papel
Eu sei que amanhã será pior
Os espasmos
A emoção se vai
O sangue toca o ralo
Eu não sinto minhas mãos
Lagrimas despertam o meu pior
A luta se torna raiva
Eu não quero mais estar aqui
Nem desejo estar em outro lugar
Faço planos de como para me tranquilizar
Me anestesio outra vez mais
São os remédios misturados ao álcool
É o álcool potencializado pela dor
Essas são as últimas horas
Logo minha sobriedade vai embora
Inflexível é o inverso das minhas escolhas
Promessas não cumpridas
Minha obcecante falta de fé
Eu construí um castelo de mentiras
Ignoro os dias passarem
As noites acorrento me ao calabouço da loucura
Enquanto a insanidade parece um tornado
A vida segue pela janela de forma despretensiosa
As sombras me escondem
Convivo com minha covardia
Minha desonestidade
E minha falta de capacidade de amar
O espelho reflete uma imagem sombria
Um velho corpo sem alma
Eu mergulho o mais fundo que posso
Desesperadamente lutando contra o ímpeto de voltar a respirar
Eu me perdi de mim mesmo
E não há um caminho limpo de saída
Eu preciso ir mais fundo
Encontrar uma desculpa conveniente
Onde eu possa descansar
Sem me sentir péssimo
Por ser o que sou
A lucidez se esvazia aos poucos
Ouço o barulho do mar no casco
Os ventos viram e parecem gritam
Como se tentando me avisar
Estou além do meu limite de retorno
E tudo o que consigo pensar
É que ainda estou adormecido em outro lugar
Acorrentado a uma falsa realidade
Não sou forte o suficiente
Talvez se eu dormir agora
As ondas cuidem de me levar
Eu vi a mentira surgir com naturalidade
O tremor toma o corpo
Minhas mãos formigam
E eu sou só passageiro da tempestade
Eu estou cego
Você ri
Eu nunca soube a hora de parar
Deixo me arrastar
Longe agora
Peço por favor me leve embora
Antes que eu machuque alguém mais
Afogo-me em desespero
Minha mente parece resistir
Enquanto ate-o fogo em minhas memorias
As vezes
Só as vezes
Eu consigo ver através
E não há nada além de mim
Amarro meu ego ao meu naufrágio
O coração bate com dor
E ouço uma última oração
Não guarde rancor
Preciso me livrar dessa culpa
E não há o que fazer no fim
Aceito minha covardia em silencio
O último ar me escapa
A água toma meu controle
Me acalmo diante do fim inevitável
O desconforto torna-se minha paz

Written by pradoassumpcao

25 de agosto de 2020 at 15:02

Publicado em Poesia

Dulce de leche

leave a comment »

Eu namoro suas fotografias

Como tentando te encontrar

E tudo parece refletir você

Ouço sua voz bem baixinho

E você me diz que eu sou como você


A madrugada parece pequena agora

Eu queria te dizer o obvio

O quanto você me inspira

A maneira como teu corpo fala

A genialidade criativa escondida

O impulso

A hesitação

Da gentileza ao sufoco

A vibração dos teus olhos me confundem

O quanto eu poderia estar errado?


Eu fico desnorteado

Apaixonei-me pela sua lembrança

O que quero dizer

Amanhã tudo pode anoitecer

A vida é alucinação

E eu tenho sonhado coisas reais

Há um longo deserto

Eu persigo uma sombra

Ainda que próximos

Ele me vence dia após dia

E eu não posso deixar de perseguir



A solidão desoladora da multidão

O sol parece não se importar com o ponto azul

O vento soa como um sussurro dolorido

Mas há companheirismo preso a esse silêncio

Eu imagino o som da vitrola combinado ao teu riso

E eu danço perdido

Defendendo o meu amor

Talvez só assim eu possa mudar as coisas

É errado eu imaginar demais?


Só o amor vai curar as dores do amor

E eu não tenho coisas novas pra dizer

Talvez eu procure o mundo todo

Rode, navegue e caminhe

Sem perder o foco do que está a minha volta

Afinal o mundo era só moinho

E sempre há um destino



Written by pradoassumpcao

15 de agosto de 2020 at 17:10

Publicado em Poesia

Chega de saudade

leave a comment »

Meu universo rui lentamente

Cada lembrança surge com uma despedida

Em todos os caminhos eu me perco

Mas há outras vidas além dessa

Onde o abismo me leva

Sem pressa

Conheço cada um dos meus pesadelos

Hoje falo com minhas sombras

E não há culpa no meu reflexo

Ainda que seja réu confesso

Me conforta o pensamento de tranquilidade

Não lamente e também nunca se esqueça

A grande roda continua girando

Independentemente do que possa parecer

Não há tristeza aqui

Talvez só melancolia

E era tudo o que eu poderia dizer

Tudo parece uma miragem e não me incomoda mais

Há muito outros mundos além desse

Onde a música nunca acaba

Podemos dizer o que sentimos

Lembranças vividas de algo que não vivi

Claro como um dia quente

Me queima e entorpece

Um sonho vivo

Como um novo despertar

Para outra realidade

Onde guardo meu coração

A velocidade da queda assusta

O medo do choque eminente

Desculpe-me por provocar um novo desconforto

Mas é só outro caminho pra estar contigo

Written by pradoassumpcao

1 de maio de 2020 at 16:48

Publicado em Poesia

Tagged with

Dia Perfeito

leave a comment »

Eu tenho as mesmas antigas promessas

Guardo um orgulho único

Posso abrir mão das minhas cartas

Se você abrir o teu jogo

Paguei o que devia a mim mesmo

E não há vergonha na dor

Vejo o reflexo sobre a água

E o melhor que se pode fazer não é o suficiente

Eu não deveria ir sem você

E não consigo me perdoar por tentar




Todos os caminhos os teus olhos lideram

É algo que não pude evitar

Que não cabia a mim

Não havia atalhos para que eu aprendesse

E hoje só posso acreditar

E ter fé




O sol escurece as seguranças

A fragilidade é soturna

Eu só posso esperar

Escondido nas sombras

Porque eu pertenço a isso

Nós nos separamos

Como em ondas de tempestade

Como opostos

Como iguais

Espera-se que o reflexo seja triste

E eu devia esperar algo mais?




Não tive coragem

Em frente aos portões do paraíso

Olhando os sinos dobrarem

Haverá outra maneira de acertar?

Talvez seja minha maneira de dizer

Mas não consigo me concentrar

Algo dentro de mim ainda luta

E eu luto em negação

Quase afogando as esperanças

O veneno passa a ser refeição




Como se preso a uma fotografia

O tempo parece não passar ao redor

O seu nome ecoa pelo lugar

Eu não posso tocar você

Mas está tudo bem

É o fim disso tudo

Onde mais o universo pode nos levar?

Deve haver um jeito de sair

Onde a nova onda de endorfina nos permita ir

Written by pradoassumpcao

9 de fevereiro de 2020 at 03:45

Publicado em Poesia

Desconhecido

leave a comment »

 

Eu continuo
Não posso deixar de perseguir o horizonte
Buscando por um pote de ouro e o que sabe mais
Em cada novo amanhecer
Não há um dia que eu não procure ser forte
Nunca se arrependa e nunca se esqueça

Conto as estrelas que posso ver
Canto pra não enlouquecer
Reclamo da lua enquanto faço planos
Ensaio desculpas

Tomo outro rumo onde há não atalhos
Há que se percorrer uma longa jornada
Meu prazer está no artifício
Mas não estou caminhado só

Nos meu sonhos eu continuo caindo
Quantas vezes mais
Não consigo dormir sóbrio
Talvez eu não consiga se quer ficar acordado
A esperança é uma coleção de garrafas vazias
Eu sei que não devia ficar
Eu fui ao inferno aliviar minha culpa
Mas há algo que eu perdi lá

Vou voltar a buscar dessa vez em outro lugar
Onde eu possa esquecer
O que vivo a lembrar
Onde eu possa andar
Até outro amanhecer
Para não precisar voltar

Pareço estar nos trilhos
Mas minhas mãos continuam sujas
Concentro me na respiração
Persigo outro dia mais atrás de um horizonte desconhecido

Written by pradoassumpcao

17 de outubro de 2019 at 16:25

Publicado em Poesia

Tagged with

Adiantar-se

leave a comment »

Olhar curioso
Desperta libido
Paixão avassaladora
Quero teu corpo
Tocar sua alma
Sem perdas ou danos

A insegurança se dissipa
Nascida de si mesma
Parecia um sonho proibido

Não era só um jogo
Coração aberto
Sem vaidade
Não há mais estranhos aqui

O desejo nos impulsiona
Não há fuga
Perco o fôlego ao te olhar
A paixão me consome 
Sem culpa
Só cumplicidade

Sou incompleto
Te espero
Ansioso

Written by pradoassumpcao

31 de outubro de 2017 at 12:15

Publicado em Poesia

Tagged with , ,

Gabriela

leave a comment »

Raio de sol
Uma chama
Não há como não notar
A delícia do sorriso
A delicadeza do olhar
Uma ingenuidade travestida em segurança
Amante
Mulher

Insinuante
Tímida
Questionadora
Perturbadoramente bela
A fé inabalável em ser

Sensível
Sem máscara
Hora heroína
Hora vilã
Rainha de seu próprio destino

Sem âncoras
Livre
Sincera e verdadeira
Prende-se a quem valoriza
Ser amada e amar

Hora sã
Hora não
Não existem razões absolutas
Sentimentos a flor da pele

Tocada pelo fogo
Sorriso enigmático
Eletrizante
Se faz valer

Pode parecer sonho
Mas são os olhos nos olhos
Que fixam os pés nos chão

Encantadora
Uma rosa enfeitiçada
Os espinhos trazem segurança
Sustenção
Sem temer cicatrizes
De alma aberta
Apaixonada
Curiosa
Carismática

Sinto cada vez mais falta
Dos teus personagens
Da sua personalidade unica

Pode ser valente
Donzela
Desinibida ou tímida
Fatal de uma maneira desconcertante

Menina
Mulher
Humana
Mortal
Inesquecível
Contagiante
Ampla
Vida e fogo
Gabriela

Written by pradoassumpcao

8 de novembro de 2016 at 10:42

Primo,

leave a comment »

Em um sonho vago
Eu te vi,
Não entendi no inicio
Eram memorias revividas
Acordei às lamúrias
Sem semblante

Eu não conseguia me lembrar
Talvez fosse tristeza apenas
Mas aos poucos fui relembrando
Você dizia algo
Como uma mensagem subliminar
Eu queria entender

Mas foi na saudade
Nas palavras de carinho
Que a teia de recordações formou-se
Éramos criança
Como um irmão mais velho
Hora protetor
Hora implicante

Pulam se anos

Lembro-me das conversas antes de dormir
Das confissões adolescentes
Dos conselhos desavisados
Das dezenas de gostos compartilhados
Das nossas diferenças e habilidades
E da humildade
Algo que eu sempre admirei
Onde sempre me busquei em ti
Na paciência
Na constância
No respeito

Eu queria me lembrar das palavras exatas
Do som da sua voz quando me disse
De te ouvir rindo
E o abraço de afago
Sempre estendido
Mas não importa

Eu não sei ao certo
Mas ao acordar eu sabia
Não era tristeza
Palavras de saudade
De carinho
De fé

Os mais longos dias e as mais belas noites meu amigo
Há muitos mundos além desse você sabe
E o fim da clareira é só o inicio
Que o tempo traga maturidade
E paciência para superar os obstáculos
Cuide-se e de cada um nós
E que não percamos a fé

Miro com o olho
Atiro com a mente
Vivo com o coração.

Written by pradoassumpcao

15 de junho de 2016 at 16:47

What I Got

leave a comment »

Hoje posso parecer assim
Distante, distraído ou introvertido.
Pode parecer como quiser
Já não sei ao certo quanto tempo faz
Eu te reencontrei em um sonho
Mas só reconheci horas depois de acordar
Tudo parece fazer sentido
E ando como um fantasma desde então

Acho que você não percebeu
Eu não estava bem
Como se pudéssemos conversar uma última vez
Suas palavras eram de paz
Sem qualquer rancor
Tentando trazer calma aos nervos

Não procuro uma maneira de quebrar o silêncio
Não existem saídas
E o que disserem
Nada vai parecer mais real
Não há nada mais forte que a oração
Tento ter mais calma agora

Eu me lembro da tempestade no teu olhar
Mas sei que os dias não serão para sempre
Posso não demonstrar
Escondo-me no cinismo
E onde mais eu puder ir
Tentando não demonstrar o que esperava

Você riu
Eu lembro
Nada poderia ser mais gentil
Foi apenas um sonho
Mas é exatamente como eu me lembro

Se eu pudesse te deixaria ir
Mas essa escolha não coube a mim
E o que disserem
Não fará qualquer diferença agora
Eu convivo com a minha própria verdade
E muitos não enxergam além das próprias mentiras
Como poderia ser diferente?

Onde deixamos todas aquelas fantasias?
Acordo assustado
É tão difícil às vezes
Emudecido, pareço não encontro ar.

Meu sorriso amarelo
É só uma defesa mais
Que não disfarça em nada
Meu ressentimento
Por você ter partido assim
Sem ao menos reclamar

Outra noite em claro
Enquanto tento lembrar
O sentimento de culpa não me deixa
O que se pode fazer?
Eu queria ter feito mais

São tantos os caminhos e tortos
Eu gostaria de dizer obrigado
Seja onde for ou como for
Manterei minha palavra
Você sempre soube disso

E eu sei suas palavras me mercaram
A vida é uma aventura da qual jamais sairemos vivos
E eu só quero tentar ser feliz um outro dia mais

Você vive em mim
Na memoria,
No coração,
E sempre será assim
Até que eu possa te alcançar amigo

Written by pradoassumpcao

22 de março de 2016 at 15:35

Publicado em Poesia

Certas coisas

with 2 comments

Adoro quando sorri
Fico atordoado
As palavras fogem
Todo sem graça
Sem jeito

Quando me olha nos olhos
Parece ver através de mim
Pareço longe
Mas não perdido
Estou bem aqui

O encantador perfume
O leve toque da sua pele
Eu queria não ver as coisas assim
Trazer mais leveza
Mas sou intensidade
E você arde em mim

Gosto quando diz a verdade
Quando aceita estar perto
Mesmo que eu confunda as coisas mais banais
Você muda todo o caminho
E amor é tudo que tenho

Os caminhos se cruzam
As alamedas nos levam
O destino parece conspirar
Mas o acaso não traz segurança
Eu poderia dizer o que você precisa ouvir
Eu poderia mostrar o mundo
Mas você precisa segurar minhas mãos agora

A ansiedade é algo avassalador
E a saudade é uma mistura de coisas que ainda não entendemos
Eu abro mão das minhas verdades
Quero desconhecer o que julgo
Descobrir uma nova passagem ao teu lado
Ir onde jamais estive
Ser teu abrigo durante as tempestades

Guardo teu sorriso na memória
Viveria da luz que você emana
Mas preciso ver além
Você não pode estar aqui

E sou eternamente grato
Recuperei meu melhor
E hoje mesmo que tudo se acabe
Tudo o que eu quero ver
É ver mais um dos seus lindos sorrisos

Queria recompensar-te de alguma forma
Vou guardar cada lembrança
A menina mais bela entre todas
Um charme simples
Mas que não passa despercebido

Alguns podem querer aprisionar
Eu posso apenas mostrar amor
Sente-se ao meu lado
Enquanto vemos o dia nascer

Você vive aqui
Há mais tempo que consigo me lembrar
Quero vê-la acordar todos os dias
Independente do nosso humor
Apaziguar teus pesadelos
Perdoe minha falta jeito
Mas teus olhos ainda me queimam

Não há culpa
Não foi totalmente acidental
Foi muito menos proposital
Não hesitei
Qualquer duvida é dissipada
É o certo a se fazer
Por mais que possa parecer o avesso

Uma sufocante onda toma meu corpo
Adrenalina misturada a um sedativo
Eu poderia falar noite adentro
Mas meus olhos seguem teus lábios
E eu te desejo ainda mais

A tua embriagante maneira
A tranquilidade e o fogo
Eu tento fazer tudo certo
Mas eu pertenço a você
E você é o meu doce paraíso

Não desejo parar teu caminho
Quero fazer parte
Ser eu mesmo
A minha maneira
Certo e errado

Tão terno quanto possível
Tão intenso quanto possamos suportar
Diante dos teus olhos sou eu mesmo
O sorriso é genuíno
E o amor parece o mais louco devaneio

Tenho sonhado acordado
Mas quando você está aqui
A realidade e o sonho se misturam

Written by pradoassumpcao

31 de março de 2015 at 21:38

Publicado em Poesia